Às Mulheres Servidoras os Nossos Parabéns!

Em todo o mundo, setenta países comemoram o Dia Internacional da Mulher. A data é marcada pelo resgate da história das lutas sociais, políticas e econômicas das mulheres.
A direção do SEPUB presta a sua homenagem às servidoras, ciente da importância de cada colega para a evolução das relações nos ambientes de trabalho.

Oficialmente, o Dia Internacional da Mulher nasce em 26 de agosto de 1910, durante a segunda Conferência Internacional das Mulheres Socialistas em Copenhague ( Dinamarca), sendo proposta por Clara Zetkin, uma importante líder socialista da época.

A ideia da instituição de uma data, surgiu quase que simultaneamente na Europa e Estados Unidos, onde se concentravam as lutas femininas- já em nível de organização- no final do século XIX, início do século XX.

Antes mesmo da formalização de uma data, movimentos espontâneos em 1909, já celebravam as lutas femininas. Registros históricos informam sobre uma grande celebração em 28 de fevereiro de 1909( EUA).
Na Europa, o movimento foi repercutido em forma de marchas e manifestações públicas. As manifestações integravam a agenda politica da Comuna de Paris, principal fonte de debates sobre os graves problemas sociais, políticos e econômicos enfrentados pelas trabalhadoras naquele momento da história.

As comemorações acontecem entre os meses de fevereiro e março. Duas datas são referência: 08 de março de 1917,o Movimento Socialista Russo, institui o dia 08 como data oficial e o ano de 1975, quando a Organização Nacional das Nações Unidas ( ONU) designa como Ano Internacional da Mulher, ratificando o dia 08 como data oficial.

O principal objetivo era resgatar as conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres, independente de divisões nacionais, étnicas, linguísticas, culturais, econômicas ou políticas.
Passados 110 anos da primeira homenagem, das primeiras manifestações públicas; a luta da mulher está fortalecida. As conquistas merecem o respeito de um registro histórico e correto. O mesmo registro dá conta também que há muito ainda a ser conquistado. Frisamos aqui duas pautas estruturais: o combate a cultura do estupro e a violência doméstica.
No Pará, as mulheres vitoriosas deixam todos os dias seu legado enquanto trabalhadoras atuantes no serviço público.

A direção sindical presta também sua homenagem às colegas que integram a atual equipe administrativa, ratificando que todo o trabalho realizado até aqui não poderia ter prescindido da inestimável colaboração de cada uma delas.
Em 2019, as lutas sindicais mais do que nunca vão precisar da força, inteligência e obstinação das mulheres brasileiras.

Parabéns!

Ezequiel Sarges
Presidente