Centrais Decidem Apoiar Dia Nacional de Lutas em Defesa da Educação

A decisão pode ser considerada um reflexo do movimento promovido para as comemorações do 1º de Maio; para muitos “histórico”, por ter reunido as principais siglas da luta sindical do país. Mas, a greve geral já estava agendada para o dia 14 de junho. A data aprovada ( 15 de maio) como o Dia Nacional de Lutas,  é resultado de decisão conjunta de sindicalistas da CUT e demais centrais – Força, UGT, CTB, CGTB, Intersindical, CSP-Conlutas, Nova Central e CSB. A paralisação do dia 15 está sendo considerada “um esquenta”, para a greve geral a ser realizada no dia 14/05.

 “Fizemos um gol na conjuntura com a união das centrais sindicais no Dia Internacional do Trabalhador e recuperamos o sentido da data, que é rememorar as lutas já feitas e organizar as próximas batalhas da classe trabalhadora”, declarou o secretario geral da CUT, Sergio Nobre; em entrevista ao SITE da entidade.

“E é com esta energia”, prossegue Sérgio Nobre, “que participaremos da mobilização dos trabalhadores e das trabalhadoras da educação no dia 15 para construirmos uma greve geral maior do que a de 28 de abril de 2017”, afirmou o sindicalista.

No dia 15 estão agendadas:  assembleias, atos, mobilizações, panfletagens nas praças, nos locais de trabalho, nas ruas da cidade, com objetivo de explicar o que a reforma da Previdência do governo de Jair Bolsonaro (PSL) vai causar aos trabalhadores.  A orientação é de adesão as manifestações organizadas pelas entidades representativas dos trabalhadores em educação.

“É importante também que todos os sindicatos e centrais levem o abaixo-assinado para coletar assinaturas da população contra a reforma da Previdência de Bolsonaro para mostrarmos ao Congresso Nacional que ninguém quer ficar sem aposentadoria”, alertou o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre.

 A adesão é ainda maior: para fortalecer a luta contra a reforma da Previdência de Bolsonaro, as centrais sindicais vão reunir com as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo e com os principais sindicatos e partidos políticos.