Movimento Sindical Unido Contra o Desmonte da Previdência

Por conta do anúncio de que Michel Temer (MDB-SP) intenta colocar em votação o projeto de Reforma da previdência, assim que for encerrado o segundo turno das eleições, as coordenações de diversas centrais sindicais resolveram dar uma resposta pública ao governo federal, divulgando um comunicado oficial em formato de Nota Unitária, onde se posicionam contrários a reforma da Previdência e a retirada de direitos trabalhistas.
Em reunião esta semana em SP, as direções sindicais definiram as estratégias de enfrentamento do novo golpe que vem sendo arquitetado por Temer, contra os trabalhadores brasileiros. Participaram da reunião em São Paulo e assinam a nota: CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central, CSB, CSP-Conlutas e Intersindical.

“As centrais, bem como o conjunto da classe trabalhaora, sabem o que está em jogo. Reverter essa agenda de destruição total do país só com luta, resistência e a vitória de um novo projeto para o Brasil. Um proposta que devolva ao nosso povo paz, segurança e otimisto”, esclareceu o presidente nacional da CTB, Adilson Araújo.

Confira trechos do documento

Em defesa da aposentadoria pública: Se botar pra votar, o Brasil vai parar!
(…)Em 2017, fizemos uma Greve Geral que mobilizou mais de 40 milhões de trabalhadores e trabalhadoras em defesa da aposentadoria. Se o governo insistir em atacar a Previdência Social Pública, o Brasil irá parar mais uma vez.
Não aceitaremos que a classe trabalhadora pague mais uma vez a conta. Não aceitaremos o desmonte e entrega da Previdência Social para o sistema financeiro. A sociedade deseja paz, liberdades democráticas, segurança e respeito aos seus direitos, que só virão com a garantia do emprego, salário digno e do acesso a direitos fundamentais como saúde, educação e aposentadoria digna (…)
São Paulo, 02 de outubro de 2018.